Qual e a economia do pais e quem controla o dinheiro

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • Binomo
    Binomo

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FinMax
    FinMax

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Откуда берутся деньги и как работает экономика страны

Еще с детства мы с вами привыкли к деньгам, как к монеткам и бумажным банкнотам. Их можно пощупать, куда-то положить, видеть и чувствовать. Но сейчас понятие денег немного меняется, как и их форма. Давайте поговорим о том, откуда вообще берутся деньги в нашей стране, кто за ними следит и сколько достаточно для того, чтобы обеспечивать нормальное экономическое положение.

На самом деле деньги не всегда были в той привычной нам форме, как сейчас. Ведь не всегда люди умели чеканить монеты и печатать бумагу. Еще в давние времена функцию денег выполняли какие-либо ценные предметы – ракушки, шкурки животных, зерна каких-либо растений и так далее.

Кстати, в некоторых далеко не самых развитых странах эта форма денег до сих пор присутствует.

Согласно истории, первое появление денег было зафиксировано еще в 7 тысячелетии до нашей эры. Тогда у первобытных племен образовывались излишки в каких-либо вещах, и они обменивали их на другие. Обмен осуществлялся с помощью разных предметов. Но в целом они были эквивалентны стоимости того товара, который и становился предметом обмена.

Откуда берутся деньги

Многие в детстве рвали листики с деревьев и принимали их за деньги в играх. Но таких денег можно было нарвать сколько угодно. А вот в реальном мире их количество определяют Центробанки. В России их производить Банк России.

В любой стране есть такой главный регулятор, который подсчитывает, сколько денег нужно экономике в данный момент и начинает печатать необходимое количество согласно своим подсчетам.

Задачей Центробанка РФ является подсчитать, сколько денег находится в текущей обороте в стране, а также сколько их может понадобиться в ближайшем будущем. Более того, сложность этой задачи заключается в том, что регулятору нужно подсчитать не только в общей сумме, но и распределить ее по количеству тех или иных номиналов купюр.

То есть, именно он решает, сколько купюр в 5000 завезти в Московскую область, а сколько в Свердловскую.

Но те деньги, которые мы с вами привыкли видеть и чувствовать на ощупь (то есть наличные) – это далеко не все деньги, которые присутствуют в стране. Помимо наличных денег существуют и безналичные. Они находятся на счетах компаний и коммерческих банков. А вот откуда они берутся?

Коммерческие банки

Рассмотрим один пример. Допустим, у вас появилось 200 000 лишних денег, и вы решаете положить их на вклад в банк на год. Они по-прежнему остаются вашими деньгами. Но и банк может ими пользоваться, за что и будет платить вам проценты. В этот момент он имеет право выдать другому нуждающемуся человеку кредит. Допустим под сумму в 180 000 рублей.

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • Binomo
    Binomo

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FinMax
    FinMax

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Получается, что количество наличных денег остается прежним, так как вы по итогам определенного промежутка времени получаете обратно свои деньги + процент, а другой клиент выплачивает свой кредит + процент за пользование им.

Сколько наличных денег должно быть в стране

Как уже упоминалось ранее, это только часть денег от всего оборота в стране. Их количество определяется Центробанком РФ и зависит от нескольких факторов:

  • от степени развития банковских карт и электронных платежных систем;
  • от количества банкоматов – достаточно ли их для обеспечения полноценной работы;
  • от степени роста экономики и уровня потребления в стране;
  • от того, как вообще относятся жители страны к наличным деньгам. Ведь есть и такие, где люди пользуются только безналом.

К примеру, в Швейцарии жители предпочитают использовать только наличные деньги. Да и хранят они свои сбережения только таким образом. Порой даже и крупные суммы находятся у них “дома под подушкой”.

В Швеции совсем наоборот. Здесь уже практически не осталось наличных денег, так как 95% населения расплачиваются за товары и услуги безналом.

И такая тенденция совершенно неудивительна, так как с ростом развития современных технологий становится гораздо удобнее не таскать с собой в кошельке деньги, а иметь их на своем счете и расплачиваться, приложив карту к специальному терминалу, даже не вводя при этом пин код.

Сейчас все больше пользуются спросом электронные деньги. У каждого жителя уже имеется свой кошелек Вебмани или Яндекс.Деньги, так как таким образом гораздо удобнее оплачивать некоторые товары и услуги в интернете.

Сколько денег нужно стране

Здесь нет четкого ответа, так как количество необходимых для нормального функционирования экономики денег меняется в зависимости от ситуации в стране.

Когда страна находится на пике экономического роста, то и денежная масса растет. И, наоборот, во времена кризиса она падает, что вполне логично.

Ну а чем быстрее развивается страна, тем и больше денег в обороте ей нужно для удовлетворения всех потребностей.

Но бывает и так, что Центробанк не уследил за денежной массой или неверно подсчитал необходимую для нормального функционирования экономики. Так и появляются излишние купюры.

Но почему денег в стране стало больше, чем с этим справляется экономика? Именно это и есть одна из главных задач Центробанка, чтобы избежать риска инфляции.

Как работает экономика страны

Даже такой показатель, как количество денег, зависит именно от состояния экономики. Поэтому я считаю, что пора перейти к тому, что вообще это такое. Постараюсь объяснить простыми словами.

Самая главная основа экономики любой страны – это сделки между покупателями и продавцами. При этом не важно, являются ли они банальными людьми на продуктовом рынке или крупными банками.

Все мы каждый день совершаем сделки, даже сами об этом не задумываясь. Взять, к примеру, ваш поход в магазин за хлебом. Это тоже считается сделка, которая несет свой вклад в экономику.

У одного человека есть товар, другой готов его приобрести, заплатив за него эквивалентную сумму денег, в которую продавец готов принять за свой товар.

Сделка может оплачиваться как наличными денежными средствами, так и кредитными. Все вместе это представляет общий объем расходов. Делим эту сумму на то количество товаров, которое было приобретено, то получим цену за одну единицу товара.

Что такое рынок

Это совокупность всех покупателей и продавцов. Рынки могут быть разными: продуктовыми, автомобильными, между предприятиями и так далее. Но все это контролирует Центральный банк. В нашей стране – это Банк России. Он может влиять на денежную массу путем повышения/понижения процентных ставок и созданием новых денег.

Другая не мене важная часть экономики – это кредиты. Без них было бы все гораздо сложнее и дольше. Кредиторы выдают деньги тем, у кого их не хватает на покупку машины, квартиры и так далее. Ведь порой и целой жизни может не хватить, чтобы на это накопить самостоятельно.

Заемщик берет эти деньги и обязуется выплатить их в срок + проценты за пользование. Так мы и подошли к понятию долга и долговых обязательств.

Чем больше людей берут кредиты, то в краткосрочной перспективе это очень благоприятно сказывается и на экономике в целом. Так как в этом случае мы получаем гражданина, который может себе позволить не только выплатить кредит, но и проценты сверх него.

Цикличность

Но все же далеко не все люди могут выплачивать кредиты. Взять его может каждый. Но не все смогут реально оценить свои возможности и за много лет вперед просчитать, сможет ли он его выплатить. Ведь порой человек действует под эмоциями и огромным желанием любым способом получить желаемый товар.

Так и появляются понятия краткосрочной и долгосрочной задолженностью.

Если бы не было кредитов, то было бы гораздо сложнее увеличивать расходы, что напрямую влияет на рост экономики страны. Пришлось бы увеличивать производительность труда у населения.

Но зачем мучить себя излишними рассуждениями. Ведь все же есть кредитная система. Люди берут в долг у банков, чтобы купить товар у другого участника рынка. Получается, что расходы одних – это доходы других.

Центробанк в этом случае выступает в роли регулировщика. И чтобы вся ситуация с кредитной системой не вышла из под контроля и не настал крах экономики, он повышает или понижает базовые процентные ставки. Этим самым он влияет на объемы выдаваемых кредитов.

Долговая нагрузка

Помните кризис 2008 года? Естественно, так как он больно ударил по многим жителям страны. Да и все мы помним, как курс доллара рос как на дрожжах.

В те времена условия для получения кредитов были слишком мягкими. Каждый брал по несколько кредитов и был уверен, что на таких условиях он в любом случае сможет все их выплатить. В итоге все обернулось кризисом.

Сейчас кредитная система до сих пор переживает не лучшие времена. Многие банки полагают, что заемщики не смогут выплатить свои долги из-за не лучшего финансового положения.

Чтобы изменить ситуацию в лучшую сторону, то есть несколько способов:

  • уменьшить расходы у населения;
  • реструктуризация;
  • перераспределение средств между богатыми и бедными;
  • печать новых банкнот.

Уменьшить свои траты в случае необходимости может каждый. Банки также согласны идти на реструктуризацию долгов. Это хотя бы лучше, чем ничего. Что касается третьего пункта, то это может поднять митинги и недовольства со стороны населения, так как придется повышать налоги и так далее.

Чтобы экономика страны снова начала расти, а население стало кредитоспособным, нужно, чтобы доходы превышали уровень задолженности. Тогда и банки снова начнут охотнее выдавать кредиты, люди смогут оплачивать свои счета и так далее.

Если смотреть в долгосрочной перспективе, то важнее именно фактор производительности труда. Ведь банк может исчезнуть через несколько лет, ну а производительность всегда остается постоянным фактором в экономике.

Заключение

Это основные моменты, которые характеризуют экономику любой страны. Надеюсь, моя статья будет полезна для вас. Подписывайте на обновления и будьте в курсе самых важных тенденций в бизнесе и способов заработка!И обязательно просмотрите познавательное видео! смотреть всем!

David Harvey: “É o dinheiro quem controla o processo democrático, não as pessoas”

1. O que é a “loucura da razão econômica”?

Segundo a análise marxista, o capital é uma forma político-econômica contraditória: promete liberdade e entrega escravidão; promete crescimento e entrega crise e destruição. (Karl) Marx expôs essas contradições. A maioria dos economistas não gosta de contradições. Eles acreditam que a economia tende a um equilíbrio benéfico, embora forças externas possam perturbá-la. Marx afirma que a economia não tende ao equilíbrio, mas ao acirramento das contradições, o que produz as crises, que são momentos de reconfiguração do capitalismo. Marx fazia piada com os economistas: quando enfrentam uma crise, eles geralmente dizem que isso não aconteceria se a economia se comportasse de acordo com os manuais.

2. Como resolver essa “loucura racional” (ou “razão louca”) da economia dentro dos limites da democracia e do livre mercado?

Não há solução possível dentro do capitalismo, porque o capital é uma contradição. E de que tipo de democracia você fala? Os Estados Unidos são uma democracia controlada pelo dinheiro. A Suprema Corte diz que o financiamento privado de campanhas eleitorais é liberdade de expressão. Isso significa que milionários podem comprar eleições. (O escritor) Mark Twain (1835-1910) disse que os EUA têm o melhor Congresso que o dinheiro pode comprar. É o dinheiro quem controla o processo democrático, não as pessoas. É difícil ter uma democracia genuína se as eleições são tão caras. E, atualmente, vemos cada vez mais o dinheiro apoiando o autoritarismo, que esvazia as democracias parlamentares e concentra todo o poder no Executivo.

Saiba mais

Dá para explicar a crise do Brasil em duas frases?

“Um número crescente de economistas está engajado em trabalhos que levam a inclusão a sério”: 9 perguntas para Dani Rodrik

Trump e Putin são os czares modernos?

3. Qual a solução?

Agora não há um Palácio de Inverno para invadirmos, mas podemos pensar um sistema em que os recursos econômicos sejam geridos democraticamente. O neoliberalismo transformou tudo em mercadoria — até o conhecimento! Estendemos os limites do mercado mais e mais, e enormes segmentos da população, que não têm recursos, não podem comprar educação, moradia digna, crédito, nada. Precisamos “desmercadorizar” a saúde, a educação, a moradia popular e a cesta básica. Uma sociedade decente garantiria saúde gratuita para todos. Moradia popular não pode ser uma mercadoria. Estamos falando de uma plataforma anticapitalista, o que, obviamente, não significa que vamos romper com a economia capitalista amanhã. É um processo de “desmercadorização”.

4. Por que o senhor critica as propostas de renda básica defendidas, nos EUA, pelo Black Lives Matter (movimento social de combate à violência contra negros) e pelo senador socialista Bernie Sanders?

Há vários problemas com essas propostas. Alguns na direita querem a renda básica porque sabem que a automatização e a inteligência artificial reduziram as possibilidades de emprego e que, por isso, há um grande número de pessoas desempregadas que não participam do mercado consumidor. O pessoal do Vale do Silício sabe que a diminuição dos empregos vai encolher o mercado consumidor. A renda básica é a solução deles para preservar o mercado: dê dinheiro a todos para que eles possam ficar no sofá e assinar a Netflix. O problema com os progressistas que defendem a renda básica é que eles ignoram que as pessoas estão preocupadas em ter vidas significativas, trabalhos significativos. Não trabalhar pode ser extremamente negativo. Além do mais, se você dá dinheiro para as pessoas, os aluguéis vão subir. A renda extra vai ser imediatamente tomada pelos proprietários de apartamentos, pelo comércio e pelas empresas de cartão de crédito.

5. O senhor já defendeu o crescimento zero e que a prioridade deve ser a distribuição de renda, e não o crescimento da economia. Os candidatos à Presidência do Brasil defendem a retomada do crescimento econômico. Eles deveriam reavaliar suas prioridades?

Sempre disseram que não há como distribuir renda sem crescimento econômico. Mas quanto do crescimento econômico dos últimos 30 anos serviu para distribuir renda? Reformas tributárias como a de Trump, que cortou impostos dos mais ricos e das empresas, e os programas de ajuste fiscal do Fundo Monetário Internacional (FMI) redistribuem renda dos pobres para os ricos. A crise das hipotecas em 2008 redistribuiu a renda da população para os bancos. Não adianta falar de crescimento, é preciso falar do tipo de crescimento. A transição para uma economia de crescimento zero se dará no longo prazo, porque há países que dependem de crescimento econômico. Mas para quem? Não sou favorável a esse desenvolvimento econômico que vemos hoje, baseado na construção de condomínios para os ricos.

6. No Brasil, obras públicas e construção civil são usadas para alavancar o crescimento econômico.

Se construíssem pontes e ferrovias, seria ótimo, mas só constroem estádios de futebol, condomínios para os muito ricos e shoppings, em vez de investir em urbanismo. Discordo desse tipo de crescimento econômico. Nova York cresce muito graças ao mercado imobiliário voltado para consumidores de alta renda. Ao mesmo tempo, as moradias se tornaram inacessíveis, e a população em situação de rua cresceu. Infraestrutura é importante, mas não os elefantes brancos espetaculares que prefeitos adoram construir, embora não contribuam em nada para o bem-estar da população.

7. Seu trabalho atualiza conceitos marxistas. Ainda podemos falar em luta de classes num mundo onde o operariado fabril decresce e minorias raciais e sexuais lideram movimentos sociais?

Luta de classes sempre foi um conceito que precisou ser entendido em suas muitas nuances. É importante reconhecer que as lutas anticapitalistas se articulam de diversas maneiras. Nos EUA, o operariado desapareceu, e as lutas sociais ocorrem menos nos locais de trabalho e mais nas cidades. Na China, por outro lado, há luta de classes no sentido clássico, existe um proletariado em ação. É um momento que terá efeitos maciços e ramificações globais — inclusive para o Brasil. A desaceleração do crescimento chinês, por causa da dinâmica da luta de classes, vai afetar vocês. No que se refere às lutas identitárias, muitas estão ligadas a sensibilidades anticapitalistas. O Black Lives Matter, assim como Malcolm X (militante na luta contra o racismo nos EUA na década de 60) e Martin Luther King (maior líder do movimento dos direiros civis dos negros nos EUA), reconhece que luta racial também é luta de classes — o que, nos EUA, é perigoso. Outros movimentos identitários, como o #MeToo (contra o assédio e a violência sexual), não têm essa dimensão classista. Muitas feministas afirmam que também é preciso abordar e entender a situação da mulher na sociedade por uma perspectiva de classe. A maioria das lutas sociais pode ter um conteúdo anticapitalista. A perspectiva anticapitalista é mais ampla do que a perspectiva do proletariado fabril, que prevaleceu em algumas organizações políticas de esquerda.

Os verdadeiros donos do mundo

A economia vive a maior crise em 80 anos. Ao mesmo tempo, o número de bilionários dobrou. Entenda por que – e os efeitos sobre a sua vida.

As 67 pessoas mais ricas do mundo têm US$ 1,72 trilhão. Tanto dinheiro quanto os… 3,5 bilhões mais pobres. Metade de toda a humanidade.

Em 2020, um grupo de 130 pessoas se reuniu em Copenhague, capital da Dinamarca. Discutiram assuntos como economia global, mudanças climáticas, guerras. Fizeram previsões, debateram, traçaram estratégias. Parecia uma assembleia da ONU. Mas era um encontro do Grupo de Bilderberg: organização criada em 1954 para reunir as pessoas mais poderosas do planeta. Seu encontro anual, que não é aberto a ninguém da imprensa, reúne multibilionários e chefes de Estado e de Exércitos (este ano, os destaques foram o líder supremo da OTAN, aliança militar presente em 28 países, e o diretor-geral da NSA, a superagência de espionagem americana). “Estamos falando de uma rede global, mais poderosa do que qualquer país, e determinada a controlar a humanidade”, diz o russo Daniel Estulin, autor de um livro sobre o grupo. Ele pode estar exagerando um pouco. Mas é fato que os ultrarricos nunca tiveram tanta força. A economia mundial patina e não consegue se recuperar da megacrise de 2008, a maior dos últimos 80 anos. Ela começou com quebras de grandes bancos nos EUA, que deixaram um rombo estimado em US$ 2,7 trilhões, e se espalhou pelo planeta, gerando grandes ondas de desemprego e recessão – da qual as principais economias do mundo ainda não se recuperaram. Mas mesmo assim, em plena tempestade, o número de bilionários dobrou. Agora um pequeno grupo, com as 67 pessoas mais ricas do mundo, tem tanto dinheiro quanto os 3,5 bilhões de humanos mais pobres. É como se, financeiramente, metade do planeta coubesse dentro de um ônibus. A desigualdade de renda explodiu, e está se aproximando dos níveis que antecederam a Primeira Guerra Mundial. E isso tende a ser um problema para quase todo mundo.

Mas antes: como chegamos a esse ponto? Afinal, se o mundo está em crise, todos perdem, certo? Mais ou menos. Na verdade, as crises têm o poder de concentrar renda, deixar os ricos mais ricos. E é fácil entender o porquê. Quando as coisas apertam, pessoas e empresas são obrigadas a se desfazer do seu patrimônio. Vendem imóveis pela metade do preço, liquidam ações por menos do que valem e, claro, saem perdendo. Quem ganha são uns poucos – que têm dinheiro para comprar tudo isso. “Para cada novo milionário, há muito mais gente que perde dinheiro. Em geral, quem mais sofre são os pobres e a classe média”, diz Rodolfo Olivo, professor de finanças da USP. Os mais ricos compraram ações e empresas pagando pouco, logo no estouro da crise, e ganharam com isso. De 2009 para cá o índice Dow Jones, que mede as principais ações das bolsas americanas, subiu 149%.

Ao mesmo tempo em que aumentava a concentração de renda, a crise emperrou as economias e instigou movimentos como o Occupy Wall Street – que começou como um protesto de 100 mil pessoas no centro financeiro de Nova York e chegou a 1.500 cidades pelo mundo.

Tudo isso teve uma consequência inédita: fez um livro de economia virar best -seller. O Capital no Século XXI, escrito pelo economista francês Thomas Piketty, é um catatau de quase 700 páginas, que analisa as economias de 20 países ao longo de mais de um século. É denso, complexo, difícil de ler. Mas se tornou número 1 na Europa e nos EUA, com centenas de milhares de cópias vendidas. No Brasil, foi lançado em novembro e imediatamente alcançou o segundo lugar (só perdendo para a biografia do líder religioso Edir Macedo). Piketty tem chamado a atenção – e causado furor – porque demonstrou, com estatísticas, que a desigualdade social está aumentando. E apresentou uma explicação para esse fenômeno.

O contraste entre ricos e pobres não surge do nada. Ele vem de uma força elementar: a diferença entre o capital e o trabalho. O capital (dinheiro, imóveis, fábricas, ações, bens) pode ser investido e gerar mais capital. Já o trabalho não tem esse poder multiplicador. E aí, diz Piketty, r > g. Essa fórmula, que foi inventada por ele, é bem simples. O “r” é o ganho médio que o capital consegue obter em um ano, por meio de investimentos. Já o “g” representa a taxa de crescimento da economia. Ou seja: se r é maior que g, quem tem capital para investir sempre ganha mais do que a economia como um todo. E fica com uma fatia cada vez maior do bolo. Já quem trabalha e recebe salário, ou seja a maioria das pessoas, fica com menos. E como dizia o refrão daquela música, “o de cima sobe e o de baixo desce”.

Nem sempre foi assim. Entre as décadas de 1950 e 1970, o processo foi inverso. O crescimento da economia era maior que o ganho dos investimentos (ou seja, g > r). O mercado financeiro lucrava menos do que a `economia real¿, embalada pela reconstrução da Europa e a explosão de prosperidade nos EUA. A desigualdade diminuiu. Mas a onda virou, e a distância entre ricos e pobres voltou a crescer.

No final dos anos 70, os presidentes das 350 maiores companhias do mundo ganhavam, em média, 30 a 40 vezes mais que os funcionários de base. Hoje, a diferença de salário entre o presidente e o peão passa de 300 vezes. Nos Estados Unidos, o salário médio dos trabalhadores encolheu de US$ 4 mil para US$ 2.750 (em valores reais, descontando a inflação do período) entre 1978 e 2020. Já a remuneração do 1% mais rico disparou: foi de US$ 25 mil para US$ 83 mil.

No Brasil, a concentração de renda caiu nos últimos 20 anos. Mas ainda é brutal. Somos o 13º país mais desigual do mundo (veja quadro na página 40), só perdendo para nações muito pobres, como Botsuana, Namíbia e Haiti. “Quanto maior é a desigualdade, mais altas são as taxas de homicídio, de uso de drogas, mortalidade infantil, doenças psiquiátricas e até de obesidade”, diz Richard Wilkinson, diretor da ONG britânica The Equality Trust. Reduzir a diferença entre ricos e pobres não é apenas uma questão humanitária ou ideológica. É importante para a saúde da própria economia. E quem diz isso não são pregadores esquerdistas: é o Fundo Monetário Internacional, que publicou um estudo mostrando como a desigualdade extrema tende a gerar crises, e o World Economic Forum – que reúne 700 líderes econômicos globais e este ano elegeu a desigualdade como o grande problema do mundo atual. Até o papa Francisco andou palpitando a respeito: para ele, a desigualdade “provocará uma explosão da violência” no mundo se não for contida.

O DINHEIRO NO PODER

Os donos do mundo aproveitaram a crise e exploraram a diferença entre capital e trabalho para aumentar suas fortunas. Mas também podem recorrer a outros meios, como a política. A história está recheada de casos de multibilionários que usaram suas fortunas para moldar o destino da humanidade – e ficaram ainda mais ricos fazendo isso. No século 19, o banqueiro Nathan Rothschild foi o grande instigador da derrota de Napoleão na batalha de Waterloo. Ele comprou a maior parte dos títulos emitidos pelo Exército inglês para financiar a guerra. Cheio de dinheiro, e portanto de armas, o Exército foi ao front e venceu. Rothschild foi a primeira pessoa na Inglaterra a ficar sabendo. Sem avisar ninguém, saiu vendendo seus títulos. Os outros investidores acharam que a Inglaterra tinha perdido a guerra, e também venderam os titulos que possuíam. Isso derrubou os preços deles. Rothschild aproveitou para recomprar tudo, pagando baratíssimo. No dia seguinte, quando o resto do país foi informado da vitória, o valor dos papéis disparou. E Rothschild multiplicou sua fortuna em 20 vezes. Ela chegou a US$ 350 bilhões, em valores atuais. Dá mais de quatro Bill Gates.

Hoje, a influência dos überricos na política é mais sutil, mas igualmente forte. Um bom exemplo é o Tea Party, que surgiu nos Estados Unidos em 2009 – à primeira vista, como movimento popular. De repente, milhares de americanos estavam nas ruas para protestar contra coisas que os incomodavam. Só que ninguém estava reclamando da falta de saúde ou educação, ou de 20 centavos a mais na passagem do ônibus. As reivindicações eram mais ao gosto de empresários e banqueiros: redução de impostos, liberação nas emissões de CO2 (que, segundo o Tea Party, não é o responsável pelo aquecimento global) e fim do sistema de saúde gratuito que Barack Obama tentava implantar nos EUA.

Com inclinações tão ostensivas, era difícil que a máscara não caísse. A imprensa americana logo descobriu que, na verdade, o Tea Party tinha sido criado e era financiado pelos irmãos David e Charles Koch – que estão entre as dez pessoas mais ricas do mundo. Só neste ano, eles já compraram 43.900 espaços publicitários em TVs e rádios dos Estados Unidos para difundir mensagens políticas e apoiar determinados candidatos. Quando foram flagrados como criadores do movimento, os irmãos Koch não se abalaram. Admitiram tudo, e disseram que seu objetivo é melhorar a “qualidade de vida” da sociedade.

No Brasil, são notórios os casos de empresas ou de milionários que dão dinheiro para financiar partidos políticos: são as controversas doações de campanha. Nas últimas eleições, elas ultrapassaram a marca de R$ 1 bilhão, segundo o TSE. As dez empresas que mais doaram (JBS, Bradesco, Itaú, OAS, Andrade Gutierrez, Odebrecht, UTC Engenharia, Queiroz Galvão, Vale e Ambev) financiaram 70% de todos os deputados federais eleitos – 360 de 513, segundo levantamento do jornal O Estado de S. Paulo.

As doações são permitidas por lei. Mas podem causar distorções. Imagine que você foi eleito deputado. Certo dia, sua secretária avisa que há duas pessoas esperando você. Uma é um cidadão qualquer. A outra é um empresário que doou alguns milhões para a sua campanha (e de cuja ajuda você vai precisar na próxima eleição). “Quem você se sentiria mais pressionado a receber?”, pergunta Claudio Abramo, diretor da ONG Transparência Brasil. “Os grandes doadores exercem uma pressão muito maior sobre os políticos.” Uma possível saída seria limitar ou proibir as doações privadas e financiar as campanhas com dinheiro público, como já acontece em países como Suécia e França. Isso ajudaria a conter a influência dos empresários. Mas a medida também tem seu lado polêmico, pois consumiria recursos públicos. O valor do financiamento poderia ser fixado por lei, obrigando as campanhas a gastar menos do que hoje. Isso enfrentaria grande resistência da classe política, e o financiamento público não é uma panaceia – pois candidatos mal-intencionados sempre poderiam receber dinheiro por fora, por meio de caixa 2.

De toda forma, quem tem força econômica nem sempre precisa manipular os políticos. Às vezes, pode obrigá-los a fazer as coisas. Como o megainvestidor George Soros, 24º. homem mais rico do mundo. Ele fez fortuna comprando e vendendo ações e títulos do mercado financeiro – doa a quem doer. Sua maior demonstração de poder foi a quebra do Banco da Inglaterra. O banco, que foi fundado no século 17, é o equivalente inglês ao nosso Banco Central. Controla a economia e a moeda. Em 1992, a Inglaterra tinha feito um pacto com outros países da Europa. Ela se comprometeu a manter sua moeda, a libra esterlina, numa cotação igual ou superior a 2,77 marcos alemães (o euro ainda não existia). Se o valor caísse abaixo disso, o Banco da Inglaterra era obrigado a intervir. O objetivo era reduzir as oscilações econômicas na Europa. Mas Soros viu nisso uma grande oportunidade para lucrar.

Sem chamar a atenção, ele foi pegando empréstimos e comprando libras esterlinas. Acumulou o equivalente a US$ 10 bilhões. Aí, no dia 16 de setembro de 1992, vendeu todas. Jogou tudo de uma vez no mercado. Como havia excesso de libras, a cotação delas despencou. Em pânico, o Banco da Inglaterra tentou aumentar os juros e comprar libras para defender a moeda. Mas Soros era mais forte. O governo inglês foi obrigado a abaixar a cabeça e aceitar a desvalorização da libra. No dia seguinte Soros recomprou, pagando menos, tudo o que tinha vendido – e ganhou US$ 1 bilhão com isso. O episódio ficou conhecido como “Quarta-feira Negra”. “Os grandes acertos de Soros foram saber quem iria perder”, escreve o historiador Niall Ferguson em A Ascensão do Dinheiro – A História Financeira do Mundo (Editora Planeta). Naquela ocasião, o perdedor foi a Inglaterra. Mas não foi o único caso do tipo. Esse jogo, em que grandes investidores forçam os países a desvalorizar suas moedas, começou na Tailândia, se espalhou por vários países da Ásia, chegou à Rússia e veio parar no Brasil. Em 1999, depois de sofrer um ataque similar, o Banco Central foi obrigado a abandonar o sistema de bandas cambiais, que estipulava uma variação máxima para a cotação do real.

E aí está outro problema da superconcentração de renda: ela permite que megainvestidores, como Soros, tenham força para mexer com a moeda de um país inteiro. Hoje, estima-se que haja mais de US$ 600 trilhões aplicados no mercado financeiro, dez vezes mais do que na chamada “economia real”. O dinheiro que fica dentro do mercado, e não é investido em empresas e projetos, só serve para fabricar mais dinheiro. Não movimenta a economia. “Não contribui para a inovação, a capacidade empresarial, a criação de empregos”, diz o economista Evilásio Salvador, professor da Universidade de Brasília.

A UNIÃO FAZ A FORÇA

Os ultrarricos nem sempre exercem seu poder na política, ou no mercado financeiro. Eles também influem sobre as coisas que você compra. Os produtos e serviços são fornecidos por um número cada vez menor de empresas – porque elas estão se juntando umas às outras. Entre 2002 e 2005, o Brasil teve uma média de 384 fusões e aquisições por ano, segundo estudo da consultoria Price Waterhouse Coopers (PwC). De 2006 a 2009, essa média subiu para 646. De 2020 a 2020, chegou a 783. A concentração empresarial está acontecendo no mundo inteiro, em todos os setores da economia. Por exemplo: no final dos anos 50, a França tinha 20 montadoras de automóveis. Hoje, apenas duas (Renault e Peugeot-Citroën), que foram absorvendo as demais. Na Itália, eram 19. Hoje, só uma (Fiat). Pesquisadores do Instituto Federal de Tecnologia da Suíça, em Zurique, estudaram as 43 mil maiores empresas do mundo – e mapearam todas as relações entre elas. Descobriram que um grupo muito pequeno manda numa parte enorme da economia global. “1% das empresas controla 40% de toda a rede”, diz James Glattfelder, um dos autores do estudo.

A concentração empresarial não é necessariamente ruim, mas pode ser. Imagine se só existisse uma marca de creme dental, por exemplo. Ela poderia cobrar bem caro e você seria obrigado a pagar, porque precisa escovar os dentes. Na prática, isso não tem acontecido. O mercado brasileiro de cerveja, por exemplo, é dominado pela AmBev (que tem 67,5%). Ela surgiu da fusão entre Brahma e Antarctica, as duas maiores cervejarias do País. Mas desde que foi criada, em 1999, os reajustes no preço da cerveja estiveram próximos da inflação, sem aumentos abusivos. “Hoje a concorrência é muito maior do que no passado”, diz o economista Rogério Gollo, especialista em fusões e aquisições da PwC. Com os carros, aconteceu a mesma coisa. Mesmo havendo menos fabricantes, os preços não subiram. A concentração empresarial não está doendo no seu bolso, pelo menos não ainda. Mas uma coisa está.

EFEITO MATEUS

Os impostos. Quando pensamos neles, costumamos pensar no governo: o dinheiro que ele arrecada e os serviços públicos, como saúde e educação, que fornece em troca. O que pouca gente sabe é que, no Brasil, os ricos pagam proporcionalmente menos impostos do que o resto da sociedade. Soa incrível, mas é verdade. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra o que acontece. Uma pessoa que ganha dois salários mínimos por mês gasta 53,9% da sua renda com impostos, que estão embutidos nos produtos que ela compra. Tem de trabalhar 197 dias por ano só para pagar impostos. Já alguém que recebe 30 salários mínimos paga apenas 29% – e trabalha 106 dias, quase a metade do tempo, para sustentar o governo (veja quadro na página ao lado).

Isso acontece porque, ao contrário do que acontece em países desenvolvidos, os impostos brasileiros estão mais concentrados nos produtos que as pessoas compram, e não no dinheiro que elas ganham. E essa característica é uma máquina de produzir desigualdade: porque os impostos tomam mais dinheiro daqueles que menos têm. “Isso onera os mais pobres, tornando-os mais pobres ainda”, diz Evilásio Salvador, da Universidade de Brasília. É o que os economistas chamam de Efeito Mateus (uma referência à passagem bíblica Mateus 25, 14-30: “Porque àquele que tem lhe será dado, e terá em abundância; mas ao que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado”).

Inverter essa lógica é difícil – afinal, os mais ricos têm poder para pressionar os políticos. Mas até alguns deles se dizem dispostos a mudar. O megainvestidor Warren Buffet, terceiro homem mais rico do mundo, sugeriu um plano ao presidente dos EUA. A proposta, que ficou conhecida como “The Buffett Rule” (Regra Buffett), criava um imposto de renda de pelo menos 30% sobre quem ganha mais de US$ 1 milhão por ano. Isso só afetaria 0,3% das pessoas. Mas arrecadaria US$ 36 bilhões. É um oceano de dinheiro (mais que todo o orçamento do Ministério da Educação brasileiro). A proposta foi à votação no Congresso, e perdeu. Segundo uma pesquisa da CNN, 72% dos americanos eram a favor dela.

Se nada mudar, a desigualdade no mundo tende a continuar crescendo (pois r > g, lembra?). É difícil prever as consequências disso. Mas uma delas pode ser a radicalização política. Um estudo feito por três universidades americanas (Columbia, Houston e Princeton) constatou que, quanto maior a desigualdade econômica num país, mais forte tende a ser a divisão entre os seus grupos de esquerda e de direita. E a história sugere que a superconcentração de recursos pode acabar em algum tipo de tumulto.
Já aconteceu. Houve um país que passou por um processo muito forte, e muito acelerado, de concentração de renda. Em apenas cinco anos, a fatia do bolo pertencente ao 1% mais rico cresceu 50%. A renda das demais pessoas caiu a ponto de prejudicar sua alimentação – e aumentar a mortalidade infantil em 16% em determinadas regiões do país. Seu líder fazia discursos cada vez mais inflamados, nos quais se dizia “inimigo do capitalismo”. Essa nação era a Alemanha. Seu líder, Adolf Hitler. A consequência, a Segunda Guerra Mundial.

Os 67 ultrarricos

(1) Bill Gates

US$ 80,9 BI – Microsoft – EUA

(2) Carlos Slim Helu & família

US$ 78,7 BI – América Móvil – México

(3) Warren Buffett

US$ 68,4 BI – Berkshire Hathaway (investimentos) – EUA

(4) Amancio Ortega

US$ 58,1 BI – Zara – Espanha

(5) Larry Ellison

US$ 48,8 BI – Oracle (software) – EUA

(6) Charles Koch

US$ 41,9 BI – Koch Industries (energia) – EUA

(7) David Koch

US$ 41,9 BI – Koch Industries – EUA

(8) Christy Walton & família

US$ 37,9 BI – Walmart – EUA

(9) Jim Walton

US$ 36,6 BI – Walmart – EUA

(10) Mark Zuckerberg

US$ 35,5 BI – Facebook – EUA

(11) Alice Walton

US$ 35,1 BI – Walmart – EUA

(12) S. Robson Walton

US$ 35,1 BI – Walmart – EUA

(13) Michael Bloomberg

US$ 34,5 BI – Bloomberg (mídia) – EUA

(14) Liliane Bettencourt & família

US$ 34.2 BI – L¿Oreal – França

(15) Sheldon Adelson

US$ 32,1 BI – dono de cassinos – EUA

(16) Li Ka-shing

US$ 31,3 BI – portos e empresas de plástico – Hong Kong

(17) Stefan Persson

US$ 30,4 BI – H&M (roupas) – Suécia

(18) Bernard Arnault & família

US$ 30,2 BI – LVMH (Louis Vuitton) – França

(19) Larry Page

US$ 29,9 BI – Google – EUA

(20) Sergey Brin

US$ 29,5 BI – Google – EUA

(21) Jeff Bezos

US$ 26,9 BI – Amazon – EUA

(22) Carl Icahn

US$ 25,5 BI – investidor – EUA

(23) Michele Ferrero & família

US$ 25 BI – Grupo Ferrero (chocolates) – Itália

(24) George Soros

US$ 24 BI – INVESTIDOR – EUA

(25) David Thomson & família

US$ 24 BI – Thomson Reuters (mídia) – Canadá

(26) Forrest Mars Jr.

US$ 23,1 BI – Mars INC. (CHOCOLATES) – EUA

(27) Jacqueline Mars

US$ 23,1 BI – Mars Inc. – EUA

(28) John Mars

US$ 23,1 BI – Mars Inc. – EUA

(29) Aliko Dangote

US$ 23 BI – Dangote Group (açúcar) – Nigéria

(30) Lee Shau Kee

US$ 22,4 BI – dono de hotéis e imóveis – Hong Kong

(31) Steve Ballmer

US$ 22,3 BI – Microsoft – EUA

(32) Mukesh Ambani

US$ 21,8 BI – Reliance Industries (energia e telecom) – Índia

(33) Al-Waleed Bin Talal Alsaud

US$ 21,5 BI – família real – Arábia Saudita

(34) Jorge Paulo Lemann

US$ 21,5 BI – 3G Capital (controladora da ambev) – Brasil

(35) Phil Knight

US$ 21,4 BI – Nike – EUA

(36) Michael Dell

US$ 21,1 BI – Dell – EUA

(37) Jack Ma

US$ 21 BI – Alibaba Group (comércio eletrônico) – China

(38) Len Blavatnik

US$ 19,7 BI – investidor – EUA

(39) Dilip Shanghvi

US$ 17,9 BI – Sun Pharmaceutical Industries – Índia

(40) Leonardo Del Vecchio

US$ 17,8 BI – Luxottica (óculos) – Itália

(41) Alisher Usmanov

US$ 17,5 BI – USM Holdings (mineração) – Rússia

(42) Tadashi Yanai & família

US$ 17,1 BI – Fast Retailing (varejo) – Japão

(43) Paul Allen

US$ 17 BI – Microsoft – EUA

(44) Masayoshi Son

US$ 16,8 BI – Softbank – Japão

(45) Michael Otto & família

US$ 16,6 BI – Otto GmbH & Co (varejo) – Alemanha

(46) Laurene Powell Jobs & família

US$ 16,6 BI – Apple, Disney – EUA

(47) Theo Albrecht Jr & família

US$ 16,5 BI – Trader Joe¿s (varejo) – Alemanha

(48) Charles Ergen

US$ 16,2 BI – Dish Network (TV por assinatura) – EUA

(49) Robin Li

US$ 16,1 BI – Baidu (internet) – China

(50) Gina Rinehart

US$ 15,9 BI – Hancock Prospecting (minérios) – Austrália

(51) Anne Cox Chambers

US$ 15,8 BI – Cox Enterprises (mídia) – EUA

(52) Mikhail Fridman

US$ 15,7 BI – Alfa-Bank – Rússia

(53) Joseph Safra

US$ 15,5 BI – Banco Safra – Brasil

(54) Viktor Vekselberg

US$ 15,4 BI – Renova Group (energia e telecom) – Rússia

(55) Susanne Klatten

US$ 15,3 BI – BMW – Alemanha

(56) Donald Bren

US$ 15,3 BI – Irvine Company (imóveis) – EUA

(57) Ray Dalio

US$ 15,2 BI – Bridgewater Associates (investimentos) – EUA

(58) Luis Carlos Sarmiento

US$ 15,1 BI – Grupo Aval (banco) – Colômbia

(59) Pallonji Mistry

US$ 15,1 BI – Shapoorji Pallonji Group (construção) – Índia/Irlanda

(60) Azim Premji

US$ 15,1 BI – Wipro (tecnologia) – Índia

(61) German Larrea Mota Velasco & família

US$ 14,8 BI – Grupo Mexico (mineração) – México

(62) Dieter Schwarz

US$ 14,7 BI – Schwarz Group (varejo) – Alemanha

(63) Ma Huateng

US$ 14,7 BI – Tencent (internet) – China

(64) Harold Hamm

US$ 14,6 BI – Continental Resources (energia) – EUA

(65) Lui Che Woo

US$ 14,5 BI – Galaxy Entertainment (hotéis e casinos) – Hong Kong

(66) Thomas & Raymond Kwok & família

US$ 14,5 BI – Sun Hung Kai (imóveis)Properties – Hong Kong

(67) Lakshmi Mittal
US$ 14,5 BI – ArcelorMittal (mineração e aço) – Índia

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • Binomo
    Binomo

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FinMax
    FinMax

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Like this post? Please share to your friends:
Como negociar opções binárias
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: